Conecte-se conosco

Falem bem ou falem mal, mas falem de mim

Falem bem ou falem mal, mas falem de mim

Textículo

Falem bem ou falem mal, mas falem de mim

Falem bem ou falem mal, mas falem de mim

Mimimi com sarravulho.

Como bom corumbaense eu conheço bem o meu povo, perdidamente apaixonado pela nossa terrinha, a querida Cidade Branca. Essa paixão tem suas razões, que já escrevi nesse texto aqui.

O corumbaense clássico chora quando o Corumbaense F.C. perde, não consegue sobreviver muito tempo sem comer saltenha, troca qualquer bebida por uma garrafinha de mate gelado, tem DNA de sarravulho nas veias e se não disser “Ala”,”Vôte”,”Hê-há”,”Espia” ou “Hum-hummmmm” em suas interjeições interlocutórias, desconfie - porque esse cara não é corumbaense.

O corumbaense típico é capaz de convidar um estranho que conheceu no mesmo dia à tomar um tereré ou comer um churrasco em sua casa, desde que o mesmo seja simpático, divertido e agradável. Faz parte da nossa tradição centenária, ser devoto da arte de recepcionar bem e ser hospitaleiro com nossas visitas.

Mas ai de quem falar mal ou “denegrir” o nome da nossa terrinha.  Prefira ser morto bebendo lava quente ao mesmo tempo que é empalado em um angico coberto de cansanção e pimenta do que topar com  um corumbaense puto da vida, só porque você falou algo sobre Corumbá que de certa forma “denegriu” a imagem da cidade.

E acreditem, isso pode ser por qualquer bobeira. Qualquer bobeira, MESMO! Não acreditam? Olhem os exemplos abaixo:

Não faz muito tempo, o ex-prefeito de Corumbá derramou-se em um imenso e desnecessário mimimi apenas porque Corumbá foi citada em uma cena de novela como “rota do tráfico” (como se Corumbá pudesse deixar de ser fronteira com a Bolívia e o Paraguai - dois dos maiores produtores internacionais de cocaína e maconha).

E ontem, a cidade ficou em polvorosa apenas porque a vilã de uma novela em uma cena PASSOU por Corumbá, à caminho da Bolívia - em fuga para os EUA. 

Então começou o mimimi novamente, nas redes sociais.

"Ai, mimimi...denegrindo Corumbá na novela...mimimi...bandidagem...mimimi".

Confesso que até cansa discutir com meus conterrâneos a esse respeito. Muitos não compreendem que uma cidade aparecer na TV é um privilégio, pois chama a atenção de toda a população de um país para aquela localidade. 

E quando chama a atenção (de forma positiva ou negativa), as coisas começam a funcionar. Tá aparecendo muito na TV por conta de tráfico? Então as autoridades começarão a se mobilizar, porque vai chegar um momento que vai ficar ruim para todo mundo, inclusive para os governantes, policiais, etc. E chamando a atenção de gente de fora, essa turma quando chegar aqui vai ver o contrário - porque os administradores da cidade farão de tudo para mostrar uma cidade limpa, organizada e segura.

Mas se tudo ficar no marasmo, se ninguém falar nada, se ninguém mostrar nada - então nada mudará. Entenderam o X da questão?

Mídia é bom, amiguinhos.

Ademais, se apenas o fato de Corumbá ser CITADA em uma novela for suficiente para denegrir sua imagem, de prejudicar o turismo e toda essa besteira que eu li ontem - então meus amigos, nossa cidade é uma merda e fomos enganados esse tempo todo pelos nossos pais, avós, bisavós… 

Porque sinceramente eu não acredito que isso seja suficiente para jogar toda a nossa história, cultura, gastronomia, tradições e uma paisagem belíssima no lixo turístico.

Se fosse assim, Nova Iorque ( que já foi destruída centenas de vezes em atos terroristas, invasões alienígenas, guerra de gangues, tsunamis, terremotos e o escambáu ) não seria a cidade que mais recebe turistas no mundo, não é mesmo?

Corumbá TEM que aparecer e DEVE aparecer muito na mídia. 

Aprendam: Mídia é bom, amiguinhos.


PS: Pobre é da nossa irmã Ladário que quase nunca aparece na mídia nacional e a última vez que apareceu, foi por fraude em diárias na Câmara Municipal, lá em 2015.

Fábio Marchi

Jornalista, designer, fotógrafo, webdeveloper, profissional de marketing e social media, bacharel em Direito, escritor, blogueiro, político e ainda sobra um tempo para ser Diretor de Conteúdo, do Jornal MS Diário.

Continue lendo...

Faça seu comentário sobre "Falem bem ou falem mal, mas falem de mim"

Já leu estes artigos?

Agora no site

Subir