Nossas redes

Cidades

Rio Paraguai assoreado: embarcações estão paradas na hidrovia

transporte por hidrovia está comprometido e 29 embarcações seguem paradas por causa de assoreamento

Publicado em

O número de embarcações paradas pode ser muito maior no decorrer das próximas semanas, já que o fluxo de transporte aumente a partir de fevereiro, com o início do escoamento da safra agrícola no Brasil. | Créditos: Semadesc-MS/Reprodução

O assoreamento no rio Paraguai tem provocado grande fila de embarcações atracadas ao longo da hidrovia. Segundo dados do ministérios das Relações Exteriores do Brasil obtidos pelo governo de Mato Grosso do Sul, 29 navios de carga estão parados em pontos críticos do rio pela dificuldade de navegação.

O número de embarcações paradas pode ser muito maior no decorrer das próximas semanas, já que o fluxo de transporte aumente a partir de fevereiro, com o início do escoamento da safra agrícola no Brasil.

O governo de Mato Grosso do Sul, por meio da secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc), está em contato com o Ministério de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai, que acompanha a situação do assoreamento do rio no país vizinho.

No Paraguai, obras de dragagem (técnica usada para o desassoreamento de rios) já são feitas. No Brasil, em específico em Mato Grosso do Sul, o governo estadual diz que comunicou o governo federal para o início das obras de desassoreamento da hidrovia.

“Toda vez que temos um ponto que interrompe a navegação, é preciso desconectar as barcaças, o rebocador passa com uma ou duas barcaças, para depois refazer a composição. Portanto, tempo e custo de viagem aumentam, encarecendo o produto e reduzindo os ganhos do produtor”, pontua o responsável pela Semades, Jaime Verruck.

O secretário explica que no estado são três pontos críticos e que podem acarretar problemas para o escoamento na hidrovia. "O governo já solicitou autorização ao governo federal para executar as obras e estamos aguardando o licenciamento ambiental do Ibama. Até o momento o Ibama não autorizou. Para que essa hidrovia seja competitiva, precisa receber obras de infraestrutura. O Paraguai está fazendo a parte dele e no Brasil estamos fazendo articulações junto ao Ibama e ao Dnit para que autorize a dragagem desses três pontos".

Movimentação

A movimentação de cargas pela hidrovia do Paraguai a partir dos portos de Mato Grosso do Sul superou 4,2 milhões de toneladas no ano passado.

O governo estadual informou que o crescimento do transporte hidroviário foi de 36,94% de janeiro a outubro de 2022 em relação ao mesmo período de 2021, quando foram escoadas pouco mais de 3 milhões de toneladas pelo modal. 
 

Já deu seu like para esta matéria?

Ver matéria completa
Publicidade

As Top da Semana