Nossas redes

Educação

Escolas de Corumbá ficam sem receber recursos do PDDE por falhas de gestão e falta de documentação, diz Simted

Muitas escolas estão recebendo pintura nas fachadas enquanto no interior delas há falta de manutenção em setores essenciais.

Publicado em

SIMTED-Corumbá/MS. | Créditos: Divulgação

Na quinta-feira (1), o Simted informou em sua página oficial através de uma noto, que até o momento o PDDE municipal (Programa Dinheiro Direto nas Escolas) não chegou a nenhuma das unidades escolares do Município, em Corumbá, o que está provocando inúmeros problemas.

A direção do Simted Corumbá foi recebida nesta quinta, 1ª de setembro, na sede da Secretaria Municipal de Educação (Semed) por seu gestor de planejamento, para saber os motivos dos atrasos. O gestor da Semed informou que as escolas precisam atender a questões de documentação, como declarações ao Tribunal de Contas e à Receita Federal. Ainda conforme a Secretaria de educação de Corumbá, há pendências nesses órgãos que impedem a retirada da Certidão Negativa, e dessa forma as escolas ficam impossibilitadas de obter os recursos.

Além disso, cada membro das APM (Associação de Pais e Mestres) tem que estar com a documentação regularizada. Se houver alguém irregular na APM, a documentação da escola é bloqueada, informou o gestor da Semed.

Cada escola tem uma pendência diferente, e por isso nenhuma das unidades escolares do município está apta a receber, por enquanto, os recursos municipais. Segundo o gestor da Semed, é provável que os recursos do PDDE comecem a ser pagos para algumas escolas ainda neste mês de setembro.
 


Fachada pintada e laterais sem pintura da Escola Municipal Luis Feitosa Rodrigues | Imagem: Reprodução / whatsapp

De acordo com o Simted, não se pode pretender colocar a culpa na burocracia. O que de fato existe é uma comprovada má gestão dos recursos públicos. A responsabilidade tem de ser dividida entre a Secretaria Municipal de Educação e os gestores das escolas. No começo do ano letivo todos, afinal, deveriam estar cientes da necessidade de regularização.
 

Por outro lado, enquanto esses recursos não chegam, as escolas são providas pelos professores, que bancam despesas do próprio bolso ou recorrem a rifas e promoções para cobrir despesas. Um exemplo é o dinheiro arrecadado com as festas juninas.

Outro ponto importante é que os gestores precisam ser transparentes com a comunidade, por meio do diálogo com o Colegiado e as APM das escolas, para construírem juntos a administração da unidade escolar dentro de suas prioridades.

Muitas escolas estão recebendo pintura nas fachadas enquanto no interior delas há falta de manutenção em setores essenciais.

Já deu seu like para esta matéria?

Ver matéria completa
Publicidade

As Top da Semana